Topo

Histórico

Categorias

Se você está com o ácido úrico elevado, evite cerveja e frutos do mar

Cintia Cercato

25/10/2019 04h00

iStock

A elevação do ácido úrico, também chamada de hiperuricemia, é um problema metabólico bastante comum. Pode ser causado pela produção excessiva do ácido úrico ou pela diminuição da sua eliminação, ou por uma combinação dessas duas condições. As principais consequências clínicas incluem a artrite gotosa, os tofos de ácido úrico e o cálculo renal. Cada vez é mais comum o achado do aumento dos níveis de ácido úrico em pessoas que não tem sintomas.

E qual tem sido a preocupação atual? Várias pesquisas documentaram que o nível elevado de ácido úrico no sangue está associado ao desenvolvimento de diabetes do tipo 2, hipertensão arterial, doença cardiovascular e doença renal crônica.

Os homens têm mais chance de ter hiperuricemia do que as mulheres. Mas, após a menopausa, as mulheres passam a ter mais risco pois o estrógeno ajuda a eliminar o ácido úrico do organismo.

Pessoas com excesso de peso e obesidade também costumam apresentar mais chance de aumento dos níveis de ácido úrico, o que acaba contribuindo para que elas tenham um perfil metabólico mais desfavorável já que o ácido úrico afeta a ação da insulina e pode levar a disfunção endotelial.

Pesquisas com inquéritos nutricionais encontraram associação entre certos hábitos alimentares e hiperuricemia. O consumo de bebidas alcoólicas, particularmente de cerveja, foi associado a um aumento de ácido úrico. Uma pesquisa que acompanhou muitos homens por 12 anos mostrou que o consumo diário de uma lata de cerveja aumenta em 49% a chance de desenvolver gota.

Carne vermelha, vísceras (como fígado e moela), frutos do mar e cogumelos são ricos em purinas, que quando degradadas foram o urato. Pesquisas associam o alto consumo desses alimentos com hiperuricemia e gota. Já o consumo de lácteos parece ter um papel protetor, pois proteínas presentes no leite aumentam a excreção de ácido úrico pela urina.

Se você está com o ácido úrico elevado é importante buscar auxílio médico para entender a causa dessa alteração e se será necessário utilizar remédios para o tratamento. Mas algumas medidas podem ajudar no controle do problema:

  • Beba bastante água para ajudar o organismo a eliminar o ácido úrico;
  • Evite o consumo de bebidas alcoólicas, especialmente o de cerveja;
  • Consuma pequena quantidade de carne magra. Evite consumir vísceras e miúdos, além de bacon, frios e embutidos;
  • Evite frutos do mar como camarão, caranguejo, ostras e polvo;
  • Utilize temperos frescos e evite caldo de carne em tabletes, extrato de tomate e catchup;
  • Pratique atividade física regularmente.

Sobre a autora

Cintia Cercato é médica endocrinologista pela USP (Universidade de São Paulo), que se dedica à obesidade desde que defendeu doutorado nessa área em 2004. É a professora responsável por essa disciplina na pós-graduação da Faculdade de Medicina da USP, onde desenvolve várias pesquisas sobre o tema. Foi presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) e atualmente é diretora do departamento de obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).
- Site: www.cintiacercato.com.br
- Facebook: https://www.facebook.com/dracintiacercato/
- Instagram: https://www.instagram.com/cintiacercato/
- Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCbLI7AXyq3G2pyNDEL7zuvg

Sobre o blog

Este é um espaço com conteúdos relevantes sobre controle do peso, dieta, estilo de vida e tratamento da obesidade. Todas as publicações têm como base a melhor evidência científica disponível, garantindo informações de credibilidade.

Blog da Cintia Cercato