menu

Topo
Blog da Cintia Cercato

Blog da Cintia Cercato

Categorias

Histórico

Mulheres ganham gordura e perdem massa muscular 2 anos antes da menopausa

Cintia Cercato

2022-03-20T19:04:00

22/03/2019 04h00

Crédito: iStock

Uma queixa comum da maioria das mulheres é o ganho de peso com a chegada da menopausa. Aqui vale a pena deixar claro que menopausa é a última menstruação e que climatério é o período de transição entre a fase fértil para o fase não reprodutiva.

De fato pesquisas indicam que essa é uma fase crítica na vida da mulher em relação a regulação do peso corporal. No entanto alguns pesquisadores consideram que o ganho de peso ocorre apenas por conta do processo de envelhecimento, já outros acreditam que as mudanças hormonais no período do climatério podem ter um impacto importante na composição corporal. Uma maneira de avaliar cuidadosamente essa questão é acompanhar  as mudanças de peso anos antes ou depois da data da última menstruação. Assim pode-se demonstrar se as mudanças acontecem de forma súbita antes do final do período menstrual ou se as alterações vão acontecendo gradativamente após a menopausa.

Uma pesquisa recente avaliou um grande grupo de mulheres ao longo de vários anos, desde a fase reprodutiva até dez anos após a menopausa. Além do peso corporal, foram avaliadas massa gorda, massa magra, tempo de início de aumento de massa gorda e diminuição de massa magra, além de mudanças aceleradas na composição corporal. Um total de 1246 mulheres com uma média de 47 anos de idade foi acompanhada e esse grupo teve, em média, a última menstruação em torno dos 52 anos.

Um achado marcante foi um acelerado aumento de massa gorda e uma diminuição da proporção de massa magra começando cerca de dois anos antes do fim da menstruação. Ou seja na pré-menopausa já começam as alterações de composição corporal com aumento de massa gorda e antes da menopausa ocorre uma aceleração desse processo, com um aumento de 1% a 1,7% na massa gorda por ano, contribuindo com um ganho de 6% de massa gorda e um ganho absoluto de 1,6 kg durante os 3,5 anos de transição menopausal. Já na pós-menopausa ocorreu uma estabilização da composição corporal, sem grande mudança no peso corporal nas mulheres pesquisadas.

A explicação para essas mudanças aponta que os níveis de estradiol e FSH têm um papel na regulação do balanço energético. Já foi descrita uma queda acelerada dos níveis de  estradiol e um aumento similar de FSH cerca de dois anos antes do final da menstruação. O estrógeno tem um papel na regulação do apetite e também no gasto energético. Mais recentemente tem sido demonstrado que o FSH reduz a termogênese e induz ganho de peso.

Assim, um ganho de peso acelerado em mulheres em torno de 46-50 anos pode ser indício de que a menopausa está próxima.  Por conta das alterações na composição corporal é muito importante que a mulher antes da menopausa tenha uma alimentação saudável e pratique exercícios de resistência para prevenir a perda de massa muscular que pode acontecer nesse período.

Referência bibliográfica:

Greendale GA et al. Changes in body composition and weight during the menopause transition. JCI Insight. 2019 Mar 7;4(5).

Sobre a autora

Cintia Cercato é médica endocrinologista pela USP (Universidade de São Paulo), que se dedica à obesidade desde que defendeu doutorado nessa área em 2004. É a professora responsável por essa disciplina na pós-graduação da Faculdade de Medicina da USP, onde desenvolve várias pesquisas sobre o tema. Foi presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) e atualmente é diretora do departamento de obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).
- Site: www.cintiacercato.com.br
- Facebook: https://www.facebook.com/dracintiacercato/
- Instagram: https://www.instagram.com/cintiacercato/
- Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCbLI7AXyq3G2pyNDEL7zuvg

Sobre o blog

Este é um espaço com conteúdos relevantes sobre controle do peso, dieta, estilo de vida e tratamento da obesidade. Todas as publicações têm como base a melhor evidência científica disponível, garantindo informações de credibilidade.