PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Até quantos cafezinhos por dia fazem bem à saúde?

Cintia Cercato

28/02/2020 04h00

iStock

Café é a bebida mais consumida em todo o mundo depois da água. É uma bebida complexa que possui muitos componentes, sendo que a cafeína é a mais conhecida. Ela é rapidamente absorvida, atingindo concentrações máximas em meia hora a duas horas após seu consumo. A duração dela no corpo é variável, pois sua metabolização depende de vários fatores, o que pode explicar porque algumas pessoas são mais sensíveis aos efeitos de um cafezinho do que outras.

Por exemplo, o fumante metaboliza a cafeína mais rápido. Já durante a gravidez, a cafeína pode demorar três a quatro vezes mais tempo para ser eliminada. A genética também tem aqui o seu papel, em que variações no gene de enzimas que metabolizam a cafeína podem determinar o tempo que essa substância vai ficar circulando no corpo.

E afinal, qual o efeito da cafeína no nosso organismo? Basicamente ela aumenta a liberação de transmissores excitatórios. Isso quer dizer que em doses baixas (50-200 mg) nos deixam mais alertas, com mais energia e sensação de bem estar, melhorando inclusive a nossa memória.

No entanto, doses muito altas, acima de 400 mg ao dia podem ter efeitos negativos como ansiedade, nervosismo, insônia e taquicardia. Imagine o que pode acontecer em uma pessoa geneticamente mais sensível ao café…

De um modo geral, uma ingestão diária de 300 a 400 mg ao dia é considerada segura para adultos. Já para crianças e adolescentes é considerado seguro o máximo de 100 mg ao dia, e para as gestantes esse valor não deve exceder 200 mg.

É importante lembrar que a cafeína não está presente apenas no café, mas também em outros produtos, como chás, refrigerantes e chocolates. Existe uma variação relacionada a marca do produto, tempo de infusão e modo de preparo.

Quantidade de cafeína nos alimentos e bebidas

  • Café tradicional coado – 85 mg/125 ml (média: 60-135 mg)
  • Café instantâneo – 65 mg/125 ml (média: 35-105 mg)
  • Café descafeinado – 3 mg/125 ml (média 1-5 mg)
  • Café expresso – 60 mg/30 ml (média: 35-100 mg)
  • Chás – 32 mg/150 ml (média 20-45 mg)
  • Chocolate quente – 4 mg/150 ml (média: 2-7 mg)
  • Refrigerantes tipo "cola" – 39 mg/330 ml (média 30-48 mg)
  • Bebidas energéticas – 80 mg/330 ml (média: 70-120mg)
  • Chocolate amargo – 60 mg/30 g (média: 20-120mg)
  • Chocolate ao leite 6 mg/30 g (média: 1-15 mg)

Sobre a autora

Cintia Cercato é médica endocrinologista pela USP (Universidade de São Paulo), que se dedica à obesidade desde que defendeu doutorado nessa área em 2004. É a professora responsável por essa disciplina na pós-graduação da Faculdade de Medicina da USP, onde desenvolve várias pesquisas sobre o tema. Foi presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) e atualmente é diretora do departamento de obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).
- Site: www.cintiacercato.com.br
- Facebook: https://www.facebook.com/dracintiacercato/
- Instagram: https://www.instagram.com/cintiacercato/
- Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCbLI7AXyq3G2pyNDEL7zuvg

Sobre o blog

Este é um espaço com conteúdos relevantes sobre controle do peso, dieta, estilo de vida e tratamento da obesidade. Todas as publicações têm como base a melhor evidência científica disponível, garantindo informações de credibilidade.

Blog da Cintia Cercato