menu

Topo
Blog da Cintia Cercato

Blog da Cintia Cercato

Categorias

Histórico

Você sofre com inchaço? Veja causas comuns desse problema

Cintia Cercato

2008-02-20T19:04:00

08/02/2019 04h00

iStock

Uma queixa extremamente comum entre mulheres é o inchaço. Do ponto de vista médico, chamamos de edema idiopático. Trata-se de uma situação clínica, vista principalmente em mulheres em idade fértil, em que há retenção de líquidos podendo ser no rosto, no tronco ou nas extremidades do corpo, mas que não estão relacionadas a qualquer problema renal, cardíaco ou de fígado. Portanto, o diagnóstico dessa condição só pode ser estabelecido depois que outras causas de inchaço sejam excluídas. Assim, se você tem inchaço com frequência, vale a pena comentar com seu médico. O edema idioático é um diagnóstico de exclusão, ou seja, uma série de condições clínicas deve ser afastada para que se estabeleça esse diagnóstico.

Uma das explicações para o edema idiopático é uma resposta inadequada do organismo a posição ereta. Ao ficarmos de pé, nosso corpo sofre uma pequena queda de volume por extravasamento de liquido pelos capilares sanguíneos e o corpo responde com a liberação de hormônios que retém líquidos para tolerar a postura.

Nas mulheres com edema idiopático essa resposta é muito acentuada e o ganho de peso do período da manhã até a noite pode chegar a até 5 kg em casos mais graves. De fato, muitas mulheres notam que a variação do peso ao longo do dia é desproporcional. Pesquisadores acreditam que essas mulheres possuem uma maior perda de líquidos através dos capilares induzida pela gravidade e é então desencadeada uma resposta hormonal mais intensa, diminuindo a excreção de sal e água pelos rins.

Pesquisadores acreditam que algumas mulheres que sofrem de edema idiopático possuem transtornos alimentares. Existe o inchaço chamado de edema da realimentação. Nessa situação as mulheres fazem restrições alimentares severas e quando comem, há um aumento na liberação de insulina, o que contribui para a retenção do sal e da água. Uma pesquisa realizada com universitárias através de questionários encontrou uma forte associação entre comportamentos alimentares inadequados e sintomas de edema idiopático.

Outra causa comum de edema idiopático é o uso crônico de diuréticos. É descrito um uso frequente desses medicamentos por algumas mulheres que se sentem inchadas e querem perder peso. Pode parecer paradoxal, mas o uso prolongado do diurético faz com que o rim ative mecanismos hormonais para se defender da redução do liquido promovida pelo medicamento. Quando o diurético não é mais usado, agudamente o organismo não tem capacidade de vencer essa adaptação hormonal e o edema é formado rapidamente. Isso faz com que as pessoas erradamente fiquem usando o diurético, como se fossem "dependentes" dele. Em geral, são necessárias de duas a três semanas sem usar o medicamento para que o organismo vença essas adaptações e o edema se resolva.

Algumas medidas podem ajudar a reduzir a retenção de liquido, como diminuir o consumo de sal, não abusar dos carboidratos e só fazer uso de diurético, quando indicado pelo médico. Em casos mais severos pode ser necessário um tratamento complementar. Se você tem tido esse problema, converse com seu médico.

Sobre a autora

Cintia Cercato é médica endocrinologista pela USP (Universidade de São Paulo), que se dedica à obesidade desde que defendeu doutorado nessa área em 2004. É a professora responsável por essa disciplina na pós-graduação da Faculdade de Medicina da USP, onde desenvolve várias pesquisas sobre o tema. Foi presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) e atualmente é diretora do departamento de obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).
- Site: www.cintiacercato.com.br
- Facebook: https://www.facebook.com/dracintiacercato/
- Instagram: https://www.instagram.com/cintiacercato/
- Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCbLI7AXyq3G2pyNDEL7zuvg

Sobre o blog

Este é um espaço com conteúdos relevantes sobre controle do peso, dieta, estilo de vida e tratamento da obesidade. Todas as publicações têm como base a melhor evidência científica disponível, garantindo informações de credibilidade.